Dicas e curiosidades da língua portuguesa

Assine nossa newsletter

Geral

5 Dicas Práticas de Português

2 semanas atrás - por:

dicas-de-portugues

Muitas vezes, nos encontramos em situações nas quais não sabemos como nos expressarmos corretamente, ficando em dúvida entre palavras que, embora semelhantes, contém significados distintos, e por vezes, sequer fazem parte da língua portuguesa.

Hoje trago 5 dicas de português para que você evite cometer esses erros no dia a dia!

Batatinha, quando nasce, esparrama pelo chão?

Muitos dos ditados populares, na medida em que o tempo passa, sofrem alterações verdadeiramente brutais. O uso equivocado, por alguns, induz muitos ao erro.
E os exemplos dessa degenerescência são muitos: “Batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão”, transformou-se em “Batatinha, quando nasce, esparrama pelo chão”.

A exemplo disso, “Esse menino não para quieto, parece que tem bicho no corpo inteiro”, transformou-se em “Esse menino não para quieto, parece que tem bicho carpinteiro”; “Quem tem boca vaia Roma”, transformou-se em “Quem tem boca vai a Roma”; “Esculpido em Carrara”, transformou-se em “Cuspido e escarrado”; e “Quem não tem cão, caça como gato”, transformou-se em “Quem não tem cão, caça com gato”!

Televisão a cores ou televisor em cores?

Em primeiro lugar, a palavra cor, assim como todas as demais que indicam nome de cores, exigem a preposição em, nunca a. É por isso, aliás, que um livro pode ser impresso em cores ou em preto e branco. Ou alguém imprimiria um livro a preto e branco? Assim também, o televisor poderá ser em preto e branco ou em cores. Ou alguém compraria um televisor a preto e branco, para poder usar a cores também?

Sim, meus amigos, a palavra cor, ou qualquer outra que indique cor, só pode ser usada com a preposição em, nunca a. E tem mais: mexa no seu televisor em cores, que, na televisão, mexem os técnicos da empresa geradora de imagens!

Para-raio ou para-raios?

Com certeza, é muito feio falar e escrever para–raio. Mas que diabos: compraríamos um equipamento desses, que não deve ser barato, para fazer parar um único raio? Despesa muito inútil, com certeza.

Há muitas expressões, aliás, que, por seus significados, só podem ser usadas no plural. São exemplo disso: para-raios, guarda-livros, conta-giros, guarda-costas, paraquedas, porta-aviões, porta-luvas, porta-malas, porta-toalhas, saca-rolhas, toca-discos, toca-fitas, e assim por diante.

Sim, que comprar um aparelho eletrônico para tocar apenas um disco ou uma fita, seria um enorme desperdício, com certeza!

Conserto ou concerto?

Os vocábulos ‘concerto’ e ‘conserto’ oferecem, normalmente, dificuldades de grafia. As pessoas nunca sabem se devem escrever com ‘s’ ou com ‘c’.

Meus amigos, não é algo tão difícil assim. Basta lembrar que eles podem ser usados com significados diferentes: ora temos o significado de reparo, remendo; ora, de sessão musical.

Então, quando você tiver alguma coisa estragada, leve-a ao conserto com ‘s’; quando você se dirigir a um espetáculo musical, vá ao concerto com ‘c’. Sim, coisa estragada, conserta-se com ‘s’; espetáculo musical será concerto com ‘c’!

Chassis adulterado?

Diariamente, na caça a ladrões de carros, as pessoas costumam afirmar que houve adulteração do chassis.

Certamente, essas mesmas pessoas deveriam pedir um pastéis, no botequim da esquina. Afinal, se dizem um chassis, por que não pediriam um pastéis? Seria a mesma coisa! E mais: pode existir um chassi ou vários chassis modificados, alterados ou outra coisa qualquer, menos adulterados, que chassi nenhum comete adultério!

Por:
Prof. Ironi Andrade
Posts do autor
Professor de Língua Portuguesa, idealizador e criador do Método do Português Lógico, cujo já vem sendo testado com absoluto sucesso há mais de 45 anos de magistério.

Comentários sobre este post